Loading
Associe-se

Farfetch pronta a “reagir e contrariar desafios” da regulação na China

Farfetch pronta a “reagir e contrariar desafios” da regulação na China
Publicado em 25 Agosto, 2021
Partilhar

Pequim tem sinalizado um aperto na regulação às tecnológicas, numa altura em que a Farfetch tem apostado no mercado chinês. A empresa garante que está preparada para quaisquer desafios que possam surgir nessa área.

Os clientes e o volume de negócios da Farfetch reforçaram nos meses antes do verão. A empresa luso-britânica arrecadou 500 mil novos clientes no segundo trimestre do ano e as compras médias aumentaram a “quase dois dígitos”, segundo diz Luís Teixeira, responsável de operações, ao Negócios, após a apresentação de resultados. O mercado chinês tem ganho importância para a Farfetch, que não teme um aperto na regulação do país.

Apesar de os clientes norte-americanos continuarem a deter a maior quota de mercado, a China foi novamente um mercado relevante para a empresa criada por José Neves. O gigante asiático, que dá cartas no mercado de luxo, é uma das apostas da Farfetch. “Aquilo que são os nossos pilares estratégicos continuam a ser as apostas certas, como por exemplo a China. No segundo trimestre, a nossa performance na China continuou a revelar crescimentos mais rápidos do que o total do marketplace”, resume o COO da plataforma de moda de luxo.

  • Assine já 1€/1 mês
Os clientes e o volume de negócios da Farfetch reforçaram nos meses antes do verão. A empresa luso-britânica arrecadou 500 mil novos clientes no segundo trimestre do ano e as compras médias aumentaram a “quase dois dígitos”, segundo diz Luís Teixeira, responsável de operações, ao Negócios, após a apresentação de resultados. O mercado chinês tem ganho importância para a Farfetch, que não teme um aperto na regulação do país.

Apesar de os clientes norte-americanos continuarem a deter a maior quota de mercado, a China foi novamente um mercado relevante para a empresa criada por José Neves. O gigante asiático, que dá cartas no mercado de luxo, é uma das apostas da Farfetch. “Aquilo que são os nossos pilares estratégicos continuam a ser as apostas certas, como por exemplo a China. No segundo trimestre, a nossa performance na China continuou a revelar crescimentos mais rápidos do que o total do marketplace”, resume o COO da

Este foi o primeiro trimestre completo com loja aberta no Tmall — no pavilhão de luxo do shopping digital da chinesa Alibaba — o balanço é positivo. A Farfetch estreou-se por lá em março de 2021, apresentando um leque de novas marcas de luxo ao cliente chinês.
(…)
Leia o artigo completo no Jornal de Negócios