Loading
Associe-se

Mercado Chinês está a mudar o Turismo em Portugal

Mercado Chinês está a mudar o Turismo em Portugal
Publicado em 4 Maio, 2018
Partilhar

O voo direto entre a China e Portugal ajudou a trazer mais chineses ao país. Em 2017, num ano assinalado pelo desempenho assombroso da abertura da primeira ligação área direta entre Pequim e Lisboa, o número de turistas de nacionalidade chinesa a aterrar no Aeroporto da Portela situou-se nos 256 735, um crescimento consolidado de 40,7% face ao ano anterior, revelam dados do Instituto Nacional de Estatística.

Face a estes resultados, foi criada em 2016 uma iniciativa chamada Programa Welcome Chinese. Trata-se de uma certificação, que é representada em Portugal pela Edeluc, que surgiu na sequência de uma deliberação da China Tourism Academy (CTA), instituto académico e de pesquisa do Ministério do Turismo da China.

A certificação, emitida exclusivamente pela CTA, destina-se a todas as empresas do setor que recebam visitantes de origem chinesa, explica Fernando Costa Freire, managing parter da Edeluc e vice-presidente da Câmara do Comércio e Indústria LusoChinesa, e permite usufruir de um conjunto de benefícios para apoiar a promoção junto desse mercado. A principal contrapartida é a possibilidade de acesso a diversos canais de distribuição digital chineses, entre eles o Hichinese.com, o WeChat, o Union Pay, o CTrip, o China Southern Airlines e o Weibo. Possibilita também a divulgação, em stand próprio, por vários certames do setor na China e o direito a formação digital.

À Ambitur, Fernando Costa Freire esclarece que o programa garante ainda que “as empresas certificadas atendem a determinados requisitos” que vão ao encontro das expetativas destes turistas. O Sofitel Lisbon Liberdade, o Neya Lisboa Hotel, o Czar Lisbon Hotel, o Porto Bay Liberdades, a Torres Joalheiros, a Leitão & Irmão, as Lojas Francas De Portugal, a Porfolio, o Freeport Fashion Outlet e a área comercial do Aeroporto de Lisboa são alguns dos membros certificados.

O ano de 2018 será marcado por uma “consolidação do programa”, como nota o managing partner da Edeluc. A renovação dos membros aderentes será uma das principais razões.

A hipótese de utilização dos programas digitais WeChat pelos membros certificados pelo programa está em cima da mesa. Além disso, apesar de ainda não estarem disponíveis em Portugal, a Edeluc pretende incentivar os membros do programa a disponibilizarem pagamentos digitais via plataformas chinesas.

Fernando Costa Freire mostrou-se confiante de que o crescente fluxo turístico deste mercado no país é para manter, pelo que acredita que os atuais 200 mil turistas chineses possam passar brevemente a um milhão. A prioridade, prossegue, passa não só por garantir capacidade aérea para atingir essa meta, mas também por “criar roteiros certificados, envolvendo diversos tipos de destinos atrativos e que possam atrair a sua atenção por mais tempo”.

Negócio da China
Os chineses são também os que mais gastam no país. A pensar neles, a Lojas Francas de Portugal (LFP) quis garantir que tem um espaço e serviços adequados a este mercado, tendo-se tornado uma das empresas a receber certificação por parte das autoridades de turismo chinesas.

As alterações incidiram diretamente nas lojas, que passaram a contar com o sistema de pagamento Union Pay. O website oficial da LFP, por sua vez, passou a estar disponível para consulta em chinês.

Simultaneamente com a certificação, já atribuída, José Miguel Guerreiro, diretor de marketing da LFP, confirma a tendência: o número de compras efetuadas por estes turistas tem vindo a crescer na ordem dos dois dígitos, pelo que conclui: “Assistiremos à consolidação do crescimento dos turistas de nacionalidade chinesa”.

Ambitur