Loading
Associe-se

Emissão de dívida na China está em “fase final de execução”

Emissão de dívida na China está em “fase final de execução”
Publicado em 12 Julho, 2018
Partilhar

O ministro das Finanças afirmou aos deputados que o país está prestes a realizar uma emissão de dívida em yuan (moeda chinesa).
“A emissão de obrigações panda está numa fase final de execução”, revelou o ministro das Finanças, Mário Centeno, no Parlamento, esta quarta-feira, 11 de Julho.

Quase um ano depois de ter sido noticiado que Portugal já tinha recebido autorização do banco central chinês para realizar a primeira emissão de dívida no mercado chinês com “obrigações Panda”, o ministro das Finanças revela que estará para breve.
Em Setembro, a Reuters revelou que Portugal tinha recebido autorização para emitir o equivalente a 380 milhões de euros. Na altura, a meta era que a emissão decorresse até ao final do ano, mas a operação foi adiada para 2018.

De acordo com a informação divulgada na altura, a emissão será feita no mercado interbancário de obrigações, tendo uma maturidade de até cinco anos. A concretizar-se, será o primeiro passo do país num mercado avaliado em 9,5 biliões de dólares (quase 8 biliões de euros).

Centeno revelou ainda que quase 80% das necessidades de financiamento de Portugal de 2018 estão cobertas. Isto num dia em que o IGCP foi ao mercado emitir 950 milhões de euros em dívida de longo prazo. Portugal conseguiu mesmo reduzir os juros na emissão a 10 anos, tendo pago a segunda taxa de juro mais baixa de sempre.

Sobre o “rating” de Portugal, o ministro das Finanças está confiante que a Moody’s suba a notação financeira do país. “Temos a expectativa de que em Outubro a Moody’s também reveja em alta o ‘rating’ de Portugal”, salientou, citado pela Bloomberg.

Esta agência de notação financeira é a única que ainda avalia Portugal como “lixo”. A expectativa era que houvesse uma subida em Abril, mas acabou por não acontecer.

Dívida abaixo de 100% do PIB em 2025

Mário Centeno revelou ainda que Portugal vai diminuir o seu endividamento, prevendo que o rácio da dívida face ao produto interno bruto (PIB) desça para um patamar inferior a 100% em 2025.

“A dívida da República Portuguesa é sustentável e o rácio dívida/PIB vai continuar a cair este ano. Portugal tem condições de pagar a sua dívida. Mas, para isso, tem de manter uma política orçamental rigorosa e responsável ao longo dos próximos anos, como tem acontecido desde o início do mandato deste Governo”, afirmou Mário Centeno, citado pela Lusa.

“Se continuarmos com uma política orçamental responsável, como temos tido nos últimos anos, a nossa dívida vai ficar abaixo dos 100% do PIB em 2025”, salientou perante os deputados na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

A meta para este ano foi mantida, com o responsável das Finanças a prever que a dívida desça de 125,7%, em 2017, para 122,2%, este ano.

Os últimos dados da dívida, em percentagem do PIB, reportam-se ao primeiro trimestre do ano, com o rácio a subir para os 126,4%. Em termos nominais, a dívida de Portugal atingiu, em Abril, um novo máximo histórico de 250,3 mil milhões de euros. Apesar deste aumento em termos nominais, os analistas acreditam que a evolução não é preocupante. Apesar de o crescimento económico ter desacelerado no primeiro trimestre, é expectável que continue num ritmo de crescimento superior a 2%, pelo menos durante este ano. Além disso, tradicionalmente, o stock da dívida pública sobe no primeiro semestre porque é na segunda metade do ano que se concentram mais amortizações.

Jornal de Negócios