Loading
Associe-se

Cooperação entre Macau e regiões vizinhas atingiu “novo patamar”

Cooperação entre Macau e regiões vizinhas atingiu “novo patamar”
Publicado em 6 Setembro, 2018
Partilhar

Macau vai impulsionar “grandes infra-estruturas transfronteiriças” e apostar na inovação científica e tecnológica, em consonância com os projectos de cooperação com as regiões vizinhas, afirmou ontem o Governo.

A cooperação entre Macau e as “regiões irmãs” do Rio das Pérolas atingiu “um novo patamar”, principalmente numa fase em que todas contribuem no “processo de construção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong”, defendeu o secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong, na 12ª edição do fórum para a Cooperação e Desenvolvimento da região do Pan-Delta do Rio das Pérolas, em Cantão.

“Ao promover-se o intercâmbio económico e comercial e a complementaridade das indústrias, reforça-se também a cooperação no âmbito (…) das infra-estruturas, da protecção ambiental, da tecnologia, da inovação e da herança cultural”, realçou o governante.

Na mesma ocasião, Lionel Leong reiterou o empenho de Macau em transformar-se num “centro mundial de turismo e lazer” e numa “plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa”. Na opinião do secretário, o “desenvolvimento estável” da economia tem-se reflectido na “melhoria da qualidade de vida da população”, que vive agora num “ambiente harmonioso e estável”.

No início de Agosto, Chui Sai On afirmou existir “uma nova fase sócio-económica” do território que tem “registado um desenvolvimento programado nos diversos sectores e uma elevação contínua da qualidade de vida dos cidadãos”. Uns dias mais tarde, em Pequim, atribuiu grande parte desse optimismo à construção da Grande Baía, que irá levar a Macau “oportunidades como nunca houve”. Para o Chefe do Executivo, o projecto vai “impulsionar o desenvolvimento da diversificação económica e aperfeiçoar as condições da vida da população”.

A região vai desembolsar 20 mil milhões de renmimbi para este projecto, durante 12 anos, e espera ter um retorno anual de 3,5%.

Ponto Final