Loading
Associe-se

China anuncia corte nas tarifas sobre automóveis para 15%

China anuncia corte nas tarifas sobre automóveis para 15%
Publicado em 24 Maio, 2018
Partilhar

A China anunciou esta terça-feira, 22 de Maio, que vai cortar as tarifas sobre a importação de automóveis de 25% para 15%, como parte do esforço para abrir mais o seu mercado. Esta medida já havia sido prometida pelo presidente chinês Xi Jinping no passado dia 10 de Abril, durante o fórum Boao.

O Ministério das Finanças informou que a redução das tarifas entrará em vigor a 1 de Julho, aplicando-se também às peças para automóveis, que passam a pagar um imposto de apenas 6%

A medida é conhecida poucos dias depois de os Estados Unidos terem anunciado que a guerra comercial com a China está “suspensa” até que um acordo mais amplo seja alcançado entre os dois países.

Ainda que esta redução possa ser percebida como uma concessão da China em relação aos Estados Unidos, a medida vai beneficiar igualmente os fabricantes asiáticos e europeus, que já estão a aplaudir o alívio nos custos.

Nesta altura, o índice europeu que reúne as maiores empresas desta indústria valoriza mais de 0,7%, destacando-se os títulos da Schaeffler, com uma subida de 2,15%, e da Fiat Chrysler e BMW, com valorizações superiores a 1,5%.

Esta flexibilização insere-se numa série de anúncios feitos nos últimos meses por Pequim com o objectivo de demonstrar o compromisso da China em abrir a sua economia, o que, em larga medida, chega em resposta às acusações de proteccionismo levantadas pelo presidente Donald Trump.

No mês passado, Pequim também se comprometeu a reduzir os limites à participação estrangeira nas empresas do sector automóvel e financeiro e, em Novembro, reduziu as tarifas de importação em quase 200 categorias de bens de consumo.

Para já, está afastado temporariamente o aumento das tarifas dos Estados Unidos sobre milhares de milhões de dólares de produtos chineses, bem como as medidas de retaliação garantidas por Pequim, em resposta à mão pesada da administração Trump.

Jornal de Negócios